Pular para o conteúdo

Desafios da mulher revendedora de gás

  • por
Tempo de leitura: 2 minutos

Aos poucos as mulheres têm dominado vários setores do mercado de trabalho. Acompanhe nosso artigo sobre quais são os desafios para as mulheres do setor de petróleo e gás. 

O empreendedorismo feminino ganhou força nos últimos anos, seja nas mídias, ou na boca do povo. Cada vez menos as mulheres têm aceitado as opções que lhes foram impostas e buscam melhores condições de trabalho, mais qualidade de vida, melhores remunerações. Muitas mulheres migraram suas carreiras para seus próprios empreendimentos e isso acontece no setor de gás de cozinha também.

O mercado de GLP (gás liquefeito de petróleo) ainda é dominado por homens. Quando uma mulher trabalha nesse setor ela sofre preconceito por parte dos homens e da sociedade, como relata Jéssica Mendes proprietária da Jéssica Gás de Uberlândia, MG: “A gente sofre muito preconceito porque as pessoas acham que a gente não consegue carregar o gás ou que uma mulher não tem capacidade.”

Além desses fatores, podemos  destacar também que a idade é colocada como empecilho não só nesse ramo, no entanto, de acordo com o Sebrae, 6 em cada 10 empreendedoras possuem entre 25 e 49 anos, trabalhando predominantemente no setor de serviços. Jéssica destaca: “A gente está aqui para desmistificar isso! Nós podemos ser o que quisermos”.

Já para Adriana, dona da revenda Lig-Gás de Parnamirim, RN, nos conta que sua maior dificuldade nesse meio:

“Encontrar pessoas qualificadas para trabalhar de entregadores e que saibam fazer um bom atendimento aos clientes é a parte mais complicada. Entendo que um dos grandes segredos para se conseguir crescer em qualquer comércio, ou atividade, é o bom atendimento e esse é o grande gargalo da nossa atividade: O delivery, a entrega do produto ao consumidor final. Por isso, apesar de ser mulher, sou eu mesma que ponho literalmente a mão na massa e realizo as entregas. Como este serviço exige algum esforço físico e é realmente um trabalho pesado, principalmente aqui em nossa cidade, onde faz muito sol o ano inteiro, a nossa maior dificuldade é encontrar pessoas que tenham habilitação para dirigir carros e motos, que aceitem enfrentar esse calor e que ainda sejam simpáticos e desenrolados o suficiente para realizar um bom atendimento com rapidez e eficácia.” 

Um cenário comum dentro deste mercado é que a mulher trabalha com o marido, e em poucos casos é na liderança direta do empreendimento, geralmente estão condicionadas ao atendimento, mas essa realidade é o que Jéssica e outras mulheres estão tentando mudar. “Representatividade significa muito para nós” e ainda “Se você tem um sonho, agarre a oportunidade, vá fundo! A gente tem que se posicionar e se desafiar todos os dias”. Adriana enfatiza: “Com o empenho, a dedicação, a garra e a força de vontade feminina, conseguimos vencer quaisquer obstáculos.” 

E por último Adriana nos contou como a RevGás tem auxiliado sua gestão: “Adoro a RevGás, foi a minha contadora que me indicou. Como trabalho e faço praticamente tudo sozinha, desde os atendimentos aos clientes à parte administrativa, eu precisava de um sistema que me auxiliasse a controlar os movimentos da empresa. Praticamente limito-me a fazer os lançamentos e tenho instantaneamente o controle e os relatórios de tudo. Já tenho quase dois anos de parceria com a RevGás e estou muito satisfeita com os resultados. Sistema e suporte técnico excelentes. Super indico.” 

A RevGás apoia as revendedoras nessa luta diária. Quero demonstração gratuita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

pt_BRPortuguês do Brasil